“Vamos normalizar a inclusão dos refugiados”, diz Grandi do ACNUR

Hoje, no Dia Mundial do Refugiado, homenageamos os milhões de pessoas em todo o mundo que são forçadas a fugir da violência e da perseguição. Celebramos a sua notável coragem e capacidade de renovação, apesar dos desafios assustadores que enfrentam.

O quadro raramente é tão desesperador como o de agora, em Jamjang, no Sudão do Sul. Nos últimos meses, quase 700 mil pessoas atravessaram a fronteira do vizinho Sudão, fugindo de uma guerra devastadora que levou as suas casas, os seus entes queridos – tudo. Alguns fugiram deste país há muito tempo para escapar à guerra civil do Sudão do Sul; agora eles estão sendo forçados a voltar para um lugar que ainda lutam para se recuperar de anos de luta e fome. Outros são sudaneses – professores, médicos, comerciantes e agricultores – que têm agora de viver como refugiados.

A chegada de refugiados às fronteiras não é um problema apenas dos países ricos. Três quartos dos refugiados do mundo vivem em países com rendimentos baixos ou modestos – é falso e irresponsável afirmar que a maioria está a tentar chegar à Europa ou aos EUA.

Basta olhar para a tragédia que se desenrola no Sudão: são os vizinhos Sudão do Sul, Chade, Etiópia e Egipto que proporcionam refúgio ao povo sudanês que foge do horror.

Estes países mostram que a solidariedade é possível mesmo nas circunstâncias mais difíceis. Eu os elogio por isso. Mas eles não podem fazer isso sozinhos. Num momento de divisão e convulsão, os refugiados – e aqueles que os acolhem – precisam que todos nós nos unamos.

Vivemos num mundo onde os conflitos se agravam. A vontade política para resolvê-los parece totalmente ausente. E mesmo à medida que estas crises se multiplicam, o direito de procurar asilo está ameaçado. Para piorar a situação, os efeitos globais das alterações climáticas têm um impacto cada vez mais devastador – incluindo aqui, onde se prevê que graves inundações submerjam aldeias e terras agrícolas, agravando os problemas do Sudão do Sul.

No entanto, existem muitas razões para ter esperança. Hoje também é um dia para comemorar o progresso alcançado. Um novo e ousado plano de desenvolvimento no Quénia transformará os antigos campos de refugiados em assentamentos onde os refugiados terão maiores oportunidades de progresso e pleno acesso a uma gama de serviços. Na Colômbia, o ACNUR apoia um sistema governamental que inclua quase 2,3 milhões de venezuelanos no mercado de trabalho. Na Ucrânia, ajudámos a construir uma plataforma que apoia as pessoas que regressam cautelosamente para reparar ou reconstruir as suas casas.

Esta abordagem a longo prazo é fundamental – acção sustentável na educação, energia, segurança alimentar, emprego, habitação e muito mais, trabalhando com estados, parceiros de desenvolvimento e outros. Não deixemos os refugiados no limbo; em vez disso, vamos dar-lhes a oportunidade de usarem as suas competências e talentos e contribuírem para as comunidades que os acolheram.

Devem também existir formas seguras e legais para os refugiados se estabelecerem noutros locais, seja através de vistos de trabalho, bolsas de estudo ou reinstalação noutro país. Sem estas opções, mais pessoas recorrerão aos contrabandistas numa busca desesperada por esperança e oportunidades.

Tudo isto requer investimento. O financiamento internacional para ajudar aqueles que fogem da guerra no Sudão e para permitir que as autoridades locais e as comunidades anfitriãs expandam as infra-estruturas, os assentamentos e os serviços, tem sido insuficiente. E em todo o mundo, muitas outras crises são igualmente negligenciadas.

No Dia Mundial do Refugiado e todos os dias, todos podemos fazer mais para mostrar solidariedade para com os refugiados e trabalhar para um mundo onde sejam bem-vindos ou possam regressar a casa em paz. Com coragem, comprometimento e compaixão, as soluções estão ao nosso alcance.

Exit mobile version