Daniel Chapo no Niassa: Candidato da Frelimo defende uma agricultura geradora de riqueza

A província de Niassa deve ser vista como um polo estratégico de desenvolvimento e produção da riqueza nacional, pois, tem uma extensa terra para a prática da agricultura. Por esta razão, Daniel Francisco Chapo, candidato presidencial da Frelimo, garante que se for eleito nas eleições de 9 de outubro próximo, vai continuar a trabalhar para tornar Niassa cada vez mais produtiva, pois já provou o seu enorme potencial.

“Como sabem, Niassa é uma das províncias mais produtivas de que dispomos, como país. quem quer realmente comer uma batata bem saborosa tem que comer batata de Niassa, sei que aqui em Niassa temos cerca de 22 variedades de feijão.  Não há nenhuma outra província do país que tenha feijão como de Niassa”, reconheceu Daniel Chapo.

Daniel Chapo foi apresentado na quinta-feira, pelo Presidente da FRELIMO e Presidente da República, Filipe Jacinto Nyusi, aos eleitores, membros e simpatizantes da FRELIMO na província de Niassa.

“Niassa é neste momento o maior produtor de amêndoas do mundo.  Por isso, Niassa vai continuar a ser uma das apostas da agricultura”.

Daniel Chapo recordou que viveu durante dez anos na província de Nampula, contudo, Niassa foi sempre o principal fornecedor de batata ou feijão de qualidade. “Não me esqueço que quando queria realmente batata de verdade tinha que comer batata de Niassa, quando queria comer feijão, aquele feijão preto fresquinho, saboroso era de Niassa.  Hoje já produz muita mais fruta. Niassa produz morango, almoçamos e comemos morango bem mais bem saboroso”.

Daniel Chapo disse que por estas e outras razões, caso seja eleito em outubro próximo, vai continuar a apostar em Niassa não só na agricultura, mas também na indústria.  “Niassa precisa de fábricas porque produz muito. Se esta produção não é processada ela apodrece e os nossos produtores, que estão neste momento a trabalhar dia e noite, como não conseguem conservar, tudo acaba apodrecendo”.

Daniel Chapo promete mais estradas e melhoria na circulação ferroviária para permitir maior escoamento dos produtos agrícolas.

“Por isso a estrada e o comboio permitem escoar rapidamente a nossa produção para as cidades onde nós comercializamos, mas neste momento não é suficiente. Precisamos também de trabalhar para continuar a construir mais infraestruturas”.

Investir em mais serviços sociais básicos está igualmente na lista das prioridades de Daniel Chapo, como candidato da Frelimo para o cargo de Presidente da República.

“Ouvimos aqui mais tribunais que estão a ser construídos. Hoje foi inaugurado mais um tribunal, mas também vamos continuar a construir mais centros de saúde, continuar a construir e reabilitar mais hospitais.  Muita coisa foi feita aqui na província de Niassa em relação ao hospital da nossa cidade de Lichinga, hospital de Cuamba, mas também temos distritos que precisam de mais hospitais e mais centros de saúde”, realçou Daniel Chapo.

Impulsionar a distribuição de medicamentos

É promessa de Chapa estar abnegado na construção de infraestruturas sociais e impulsionar a distribuição de medicamentos de qualidade.

“Quero aproveitar esta ocasião para dizer aos nossos irmãos, nossas irmãs que são médicos, médicas, enfermeiras, enfermeiros que nós vamos conversar com eles para continuarmos a ouvir as preocupações que eles têm, que é para podermos poucos aos poucos irmos resolvendo e com isso podermos continuar a melhorar o atendimento dos hospitais”.

Niassa, tal como outros pontos do país precisa de enfermeiros e médicos que atendam com qualidade, atenção e humanismo, referiu Daniel Chapo. “Para isso vamos continuar a conversar com os nossos colegas do sector da saúde, enfermeiros, enfermeiras, técnicos e outros doutros sectores para continuarmos a melhorar a prestação de serviços sobretudo o atendimento à prestação dos nossos hospitais”.

Daniel Chapo garante que vai continuar a trabalhar no sentido de melhorar o sector da educação em Moçambique.

“A educação é a chave para o desenvolvimento e para que isso aconteça, vamos construir mais escolas ao nível da nossa província de Niassa, nos nossos distritos, nos nossos municípios. Para além de construirmos mais escolas também vamos trabalhar, conversando com os nossos irmãos, alguns grandes pedagogos, professores, outros até reformados que têm conhecimento, ideias de como vamos começar a melhorar a qualidade do nosso ensino nas nossas escolas”.

 

Dialogar com os professores

Ainda no sector da educação, Daniel Chapo pretende dialogar com os professores para que sejam encontradas soluções reais para um problema real.

“Também vamos trabalhar na área do género, criança e ação social. A criança vai continuar a ser a nossa atenção, a mulher vai continuar a ser a nossa atenção.  É importante continuarmos a combater os casamentos prematuros, combater as gravidezes precoces e também é importante combatermos a violência doméstica.  A casa onde está a família tem que ser o local onde reina a paz, a paz que o nosso Presidente, Filipe Nyusi, tem nos ensinado desde 2015.

Chapo narrou o seu percurso, agradeceu a confiança do partido, o apoio e acompanhamento do Presidente Filipe Jacinto Nyusi nesta nova empreitada.

Daniel Chapo prometeu, a seguir, “trabalhar também na área da cultura. Niassa é uma das províncias mais ricas em termos de danças tradicionais só hoje ao chegarmos ao aeroporto e hoje ao chegar o Presidente Nyusi aqui onde nós estamos, vimos várias manifestações culturais que nós precisamos reservar porque são elas a nossa identidade. Um povo sem cultura não tem identidade, daí que é importante preservarmos a cultura e é isto que faz diferença entre os moçambicanos e outros povos.  O que nos identifica é a nossa cultura, a nossa forma de ser e estar”.

Sobre o desporto, Daniel Chapo fala de um programa de governação que se baseia no desporto como um factor de união e consolidação da nação moçambicana.

“O desporto não só para as modalidades como futebol, basquete, andebol e outras, mas também para aquelas modalidades que são importantes nós continuarmos a massificar no nosso país. O desporto é importante para cada um de nós. Acordar de manhã, caminhar no final do dia, caminhar faz bem à saúde e mantém bem a nossa saúde”.

Daniel Francisco Chapo considera que o turismo é uma área fundamental, por isso a estrada para o lago é um projecto que deve continuar.  “O lago Niassa é uma referência para o turismo do nosso lado de cá de Niassa ou de Moçambique.  Ainda não conseguimos fazer grandes investimentos”.

Resolver os problemas da juventude 

Chapo admite que os jovens têm muitas preocupações, nomeadamente: acesso ao emprego e habitação. “Quem casa quer casa, tudo rima por isso é importante trabalharmos para facilitar o acesso a terrenos parcelados, melhorar as condições de habitação, com água potável, energia eléctrica. É preciso oferecer oportunidade aos jovens para que organizem suas vidas e de suas famílias”.

Sobre o acesso ao emprego, o candidato presidencial da FRELIMO disse que “uma das formas de resolver o problema do desemprego é trazermos grandes investimentos do sector privado, para que estes possam criar oportunidades de trabalho para os nossos jovens. Mas também vamos trabalhar para ver linhas de financiamento para jovens empreendedores e fortificar os seus negócios e projectos empresariais”.

Melhorar o ambiente de negócios 

Porque a juventude é o futuro, Daniel Chapo promete trabalhar para melhorar a boa governação e transparência. “Isto é necessário porque há males que fazem com que nós não possamos desenvolver como gostaríamos.  Precisamos continuar a combater todo tipo de crime. Temos que educar a sociedade desde cedo. As crianças precisam aprender que roubar é mau, cometer um crime é mau, ser corrupto é mau, corromper é mau e termos uma sociedade saudável. Para isso nós vamos trabalhar também para além da educação formal, mas também vamos trabalhar com os líderes religiosos porque estamos a falar de valores que precisamos de continuar a cimentar na nossa sociedade. As pessoas têm que ter como referência pessoas íntegras, pessoas humildes, pessoas honestas, pessoas justas e nós vamos trabalhar em estreita colaboração também com os nossos líderes religiosos porque isso tem a ver com a ética e moral”.

Quanto ao sector privado, Daniel Chapo pretende, se for eleito em outubro próximo, melhorar o ambiente de negócios em Moçambique. “Os nossos irmãos do sector privado criam emprego para os jovens em Moçambique, são eles que pagam impostos, e com o pagamento dos impostos podemos construir mais estradas, mais escolas, mais hospitais, mais escolas, abrir mais furos de água para a nossa população, construir mais sistemas de abastecimento de água para a nossa população.  Por isso é importante criar um bom ambiente de negócios para que estes nossos irmãos cresçam”, referiu Daniel Chapo.

Exit mobile version