Navio FLNG atinge produção de GNL superior a 3,4 milhões de toneladas anuais

A Air Products – uma empresa internacional americana cujo principal negócio é a venda de gases e produtos químicos para uso industrial – fez saber que a sua tecnologia e equipamento de processamento de Gás Natural Liquefeito (GNL) com dupla mistura de refrigerantes passou o teste de desempenho, atingindo uma produção superior a 3,4 milhões de toneladas por ano.

Segundo um artigo publicado esta terça-feira, 7 de Maio, pelo portal de notícias LNG Prime, a empresa afirma que a eficiência do processo AP-DMR, combinada com a utilização de maquinaria aeroderivada, traduz-se numa intensidade de carbono mais baixa do que todos os outros processos de GNL em serviço flutuante.

O órgão explica que o envolvimento da empresa com o projecto FLNG começou em 2013 com o trabalho conceptual, resultando na selecção da tecnologia e equipamento do processo AP-DMR LNG.

“Isto incluiu o fornecimento de dois permutadores de calor criogénicos principais (CWHEs), um para pré-arrefecimento e outro para liquefacção dentro da instalação”.

LNG Prime

Os permutadores de calor criogénicos principais para o projecto Coral Sul foram fabricados nas instalações da Air Products em Port Manatee, Florida, sendo que a empresa forneceu serviços de consultoria técnica especializada para a instalação, comissionamento, arranque e testes de desempenho.

Segunda Plataforma

Em novembro de 2022, o Coral Sul FLNG transportou a sua primeira carga de GNL, posicionando Moçambique como um dos países produtores de Gás Natural Liquefeito.

O consórcio TJS, composto pela Technip Energies, JGC e Samsung Heavy, construiu a unidade para a petrolífera Eni que, por sua vez, é a primeira instalação flutuante de GNL a ser implantada nas águas profundas do continente africano.

O LNG Prime revela que para além desta unidade, os parceiros estão agora a trabalhar no segundo projecto FLNG no offshore de Moçambique, denominado Coral Norte que seria uma réplica do Coral Sul.

No início deste ano, o chefe de engenharia da Technip Energies, Arnaud Pieton, disse que o segundo projecto de produção flutuante de GNL da Eni em Moçambique tem potencial para uma decisão final de investimento em 2024. (DE)

 

Exit mobile version