Reino Unido vai melhorar o acesso a medicamentos contra a Malária que salvam vidas nos países mais afectados

Um financiamento de 7,4 milhões de libras do Reino Unido tornará os medicamentos e testes contra a malária acessíveis a países de todo o mundo. Mais de 50 milhões de pessoas terão acesso aos medicamentos e testes que salvam vidas até 2027.

O Governo do Reino Unido vai melhorar o acesso a medicamentos contra a malária para ajudar a combater uma das maiores causas de morte de crianças na África Subsariana, foi ontem anunciado (25 de abril).

Mais de 600.000 pessoas em todo o mundo morrem todos os anos de malária, que pode ser prevenida e tratada. O apoio de 7,4 milhões de libras à MedAccess será utilizado para negociar preços mais baixos para medicamentos vitais contra a malária e testes de diagnóstico para pessoas em países afectados pela doença.

O financiamento eleva o apoio total do Reino Unido ao MedAccess para 17,4 milhões de libras, o que ajudará um milhão de pessoas a aceder a novos testes de diagnóstico e 120 milhões de doentes a receber tratamentos contra a malária.

O MedAccess garante volumes de vendas de medicamentos em mercados onde a procura é incerta, para que os fabricantes possam comprometer-se com preços acessíveis e um abastecimento estável. Em contrapartida, os fabricantes recebem a garantia de que serão pagos mesmo que a procura não se concretize.

Em três anos, espera-se que mais de 50 milhões de pessoas tenham acesso a medicamentos e outros artigos. O anúncio surge no Dia Mundial da Malária da Organização Mundial de Saúde, que tem por objetivo manter a doença no topo da agenda política, mobilizar recursos adicionais e capacitar as comunidades.

O Ministro Adjunto dos Negócios Estrangeiros e Ministro do Desenvolvimento e de África, Andrew Mitchell, afirmou:

“Graças à ciência britânica, dispomos atualmente de vacinas contra a malária que salvam vidas e que protegerão milhões de pessoas.”

“Temos de nos certificar de que estamos a disponibilizar medicamentos ao melhor preço possível para os países que mais precisam deles. As mortes causadas pela malária são totalmente evitáveis e o apoio do Reino Unido ao MedAccess garantirá que os países possam oferecer às pessoas a melhor proteção contra a doença”.

Foi também anunciado que a Serra Leoa, a Libéria e o Benim vão iniciar a primeira distribuição da vacina RTS,S desenvolvida pelo Reino Unido e pela Índia, o que constitui um marco importante para acabar com a malária.

A colaboração entre cientistas britânicos e fabricantes indianos resultou no desenvolvimento de duas vacinas essenciais contra a malária – a RTS,S e a R21. Estas vacinas foram utilizadas no Gana, no Quénia e no Maláui, tendo sido vacinadas 2 milhões de crianças desde 2019, e, em janeiro, os Camarões tornaram-se o primeiro país a administrar as vacinas às crianças por rotina.

No total, 22 países deverão lançar a vacina. A Gavi, que é financiada pelo Reino Unido, tem como objetivo imunizar mais de 6 milhões de crianças, em vários países incluindo Moçambique, contra a malária até ao final de 2025.

Moçambique aplicou com sucesso a Gavi para a introdução da vacina contra a malária RTS em distritos específicos no ano passado. Isto incluiu 22 distritos da Zambézia e 11 distritos de Nampula. Moçambique planeia levar a cabo investigação de avaliação da vacina relacionada com a introdução da vacina contra a malária em Moçambique, através do financiamento do Fundo Global.

O financiamento do Reino Unido ajuda a MedAccess a reduzir os custos de uma série de produtos de saúde inovadores para o VIH, a tuberculose e a malária, o que significa que o apoio do Reino Unido a organizações como a Gavi e o Fundo Mundial irá mais longe, uma vez que beneficiam de preços mais baixos para os produtos.

O Director Executivo da MedAccess, Michael Anderson, afirmou:

“Estamos profundamente gratos pelo apoio contínuo do FCDO, que permite à MedAccess melhorar o acesso a produtos para o VIH, a tuberculose e a malária em apoio aos programas do Fundo Global.”

“A MedAccess continuará a utilizar ferramentas financeiras inovadoras para reduzir o custo do diagnóstico, da prevenção e do tratamento, melhorando a relação custo-benefício e, ao mesmo tempo, o acesso dos doentes. Temos o prazer de anunciar este financiamento renovado no Dia Mundial da Malária, um momento importante para as partes interessadas a nível mundial se reunirem com a ambição comum de acelerar a prevenção e o controlo da malária.”

Exit mobile version