Governo do Japão renova o apoio à resposta humanitária em Moçambique com cerca de 1,7 milhões de dólares

O Governo do Japão anunciou [ontem], o seu compromisso de financiamento adicional de cerca de 1,7 milhões de dólares norte americanos para apoiar Moçambique no seu caminho para o desenvolvimento sustentável e reforçar a resposta humanitária à complexa crise no norte do país. Sob a liderança do Governo de Moçambique e com a coordenação das principais instituições nacionais, o apoio do Japão será implementado através de três entidades das Nações Unidas (ONU).

O anúncio foi feito durante uma cerimónia oficial realizada hoje em Maputo, que contou com a presença de representantes do Governo de Moçambique, Embaixador Faruque Omar Faquirá, Director Adjunto da Direcção para Ásia e Oceânia do Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Moçambique (MINEC); o Embaixador do Japão em Moçambique, Keiji Hamada; a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), a Organização Internacional para as Migrações (OIM) e a Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

O Embaixador do Japão,  Keiji HAMADA, disse na ocasião: “Em Cabo Delgado, devido aos repetidos ataques desde Outubro de 2017, mais de 700.000 pessoas tornaram-se deslocados internos e outras mais de 600.000 pessoas retornaram as suas zonas de origem. Neste contexto, dada a possibilidade de as disparidades económicas terem contribuído para a eclosão dos ataques, tanto a assistência humanitária como a assistência ao desenvolvimento devem ser prestadas de forma contínua.”

Na TICAD 8 em 2022, o Japão reafirmou o seu compromisso em apoiar os esforços de África para fortalecer a paz, prevenindo conflitos e abordando as causas profundas dos conflitos, e reafirmou a importância do “nexo humanitário-desenvolvimento-paz”. O Embaixador Hamada acrescentou: “Esperamos sinceramente que os três novos projectos contribuam para a estabilização de Cabo Delgado e ajudem os moçambicanos necessitados”.

Por outro lado, o Representante da FAO em Moçambique, José Luis Fernandez, afirmou que as províncias do norte de Moçambique, Cabo Delgado em particular, enfrentam desafios complexos, tanto de conflitos como do impacto dos eventos climáticos e, nesse contexto, a missão é mais crítica do que esperado.

Fernandez enfatizou que o apoio generoso do Governo do Japão a este projecto permite responder directamente às necessidades urgentes dos que regressaram as suas zonas de oriem, em Cabo Delgado, com o objectivo de reconstruir e melhorar os seus meios de subsistência baseados na agricultura, concentrando-se na produção agrícola e pesqueira.

O objectivo é melhorar a segurança alimentar e nutricional destas comunidades de forma sustentável, especialmente entre as mulheres e os jovens. “Supondo que beneficie 16.750 pessoas vulneráveis que retornaram as suas zonas de origem, nos distritos de Quissanga, Mocímboa da Praia e Palma, o projecto está preparado para restaurar os seus meios de subsistência baseados na agricultura e melhorar a segurança alimentar e nutricional, em última análise, reduzindo a dependência da ajuda.”, concluiu.

“Em nome do ACNUR e das pessoas que servimos, gostaria de agradecer ao povo do Japão pelo apoio adicional. O generoso financiamento provido pelo Governo do Japão tem ajudado a ONU em Moçambique, durante muitos anos, no apoio a milhares de pessoas deslocadas afectadas pela crise em Cabo Delgado.” O ACNUR orgulha-se por ser um parceiro consistente do Governo do Japão em Moçambique.

O novo financiamento para 2024 permitirá ao ACNUR, prestar assistência crucial às populações deslocadas em Cabo Delgado, melhorando os locais onde são acolhidos, fornecendo aos deslocados internos documentação civil e assistência jurídica e fornecimento de Itens de Ajuda Básica aos deslocados internos que se encontram em necessidades humanitárias agudas.”, disse o Representante do ACNUR em Moçambique, Ahmed Baba Fall.

A Chefe da Missão da OIM em Moçambique, Dra. Laura Tomm-Bonde, comentou que a adopção de uma abordagem de soluções duradouras é crucial para responder ao número crescente de pessoas que retornam as zonas de origem, que ultrapassou os 600.000 em Dezembro de 2023, aliado com os deslocamentos contínuos. “A OIM está empenhada em defender soluções duradouras para os deslocados retornados, deslocados internos e comunidades afectadas.

O projecto financiado pelo Governo do Japão visa abranger os deslocados retornados, os deslocados internos e as pessoas das comunidades afectadas, incluindo mulheres, homens e jovens, para apoiar as pessoas no aumento da resiliência para promover soluções duradouras, paz sustentável e resiliência para os os deslocados retornados, pessoas deslocadas internamente e comunidades de acolhimento em áreas afectadas por conflitos. Estamos empenhados em reforçar ainda mais a colaboração e coordenação com o Governo de Moçambique e do Japão, bem como com outras agências da ONU e outras partes interessadas, para abordar eficazmente as causas profundas e prevenir a violência e os conflitos”, disse Laura.

Exit mobile version