Rússia prende suspeitos de ataque com mais de 182 mortos e fala de ‘contactos na Ucrânia’; Estado Islâmico diz fazer ‘guerra pelo Islão’

Kiev chamou tentativas de conexão do caso com governo russo de "absurdas". Governo russo afirmou que 11 pessoas foram detidas, incluindo quatro supostos atiradores, e que nenhum deles é cidadão russo. Em pronunciamento, Putin chamou atentado de 'acto selvagem'.

Rússia diz ter prendido no sábado (23) 11 pessoas, incluindo os quatro atiradores do atentado a uma casa de show em Moscovo que deixou mais de 182 mortos.

O atentado, reivindicado por um braço do grupo terrorista Estado Islâmico, aconteceu na casa de shows Crocus City Hall, na noite de sexta-feira (22), e é o pior dos últimos 20 anos na Rússia.

Segundo autoridades russas, quatro homens armados invadiram o local enquanto a banda Picnic se preparava para se apresentar. O Ministério de Interior da Rússia disse que todos são estrangeiros, mas não havia divulgado a nacionalidade dos criminosos até a última atualização desta reportagem.

Em seu primeiro pronunciamento sobre o atentado, no sábado, o presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que todos os terroristas que participaram do ataque foram detidos.

Putin disse que o grupo tentava fugir para a Ucrânia quando foi capturado. O serviço secreto do governo russo afirmou ainda que os suspeitos tinham contactos no país vizinho. O conselheiro da presidência ucraniana Mykhaylo Podolyak disse em suas redes sociais que as acusações são “insustentáveis e absurdas”.

“A Ucrânia não tem a menor ligação com este incidente. A Ucrânia trava uma guerra em grande escala com a Rússia e resolverá isso no campo de batalha. As versões dos serviços especiais russos sobre a Ucrânia são absolutamente insustentáveis ​​e absurdas”, declarou.

Andriy Yusov, da divisão de inteligência do Ministério de Defesa ucraniano, acrescentou: “É claro que a Ucrânia não estava envolvida neste ataque terrorista. A Ucrânia está defendendo sua soberania dos invasores russos”.

Estado Islâmico fala de guerra

O grupo terrorista Estado Islâmico, que na sexta reivindicou autoria do atentado, disse no sábado (23) que o ataque é parte de uma “guerra violenta” contra países que combatem o Islã.

“O ataque (em Moscovo) surge no contexto de uma guerra violenta entre o Estado Islâmico e os países que lutam contra o Islã”, disse a agência de notícias do grupo em seu canal do Telegram.

O Estado Islâmico considera a Rússia inimiga porque o governo de Vladimir Putin apoia as forças do ditador sírio, Bashar Al-Asad, que há quatro anos expulsaram o grupo terrorista da Síria.

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, disse que Washington “condena fortemente” o ataque.

Perseguição

O parlamentar russo Alexander Khinshtein, aliado de Putin, afirmou que os responsáveis pelo ataque foram detidos após uma perseguição na região de Bryansk, a cerca de 350 km de onde o atentado aconteceu.

Khinshtein disse que a perseguição começou após o motorista de um carro se recusar a obedecer a uma ordem de parada.

“Durante a perseguição, foram disparados tiros, e o carro capotou. Um terrorista foi detido no local, os demais fugiram para a floresta. Como resultado da busca, um segundo suspeito foi encontrado e detido”, disse.

Segundo Khinshtein, buscas continuaram sendo feitas para localizar outros dois suspeitos que escaparam. Dentro do veículo onde estavam os suspeitos, as autoridades disseram ter encontrado armas e passaportes do Tadjiquistão.

Esse foi o pior atentado na Rússia desde a invasão de uma escola em 2004 em Beslan. O Estado Islâmico reivindicou a autoria do ataque em seu canal no Telegram.

Um vídeo mostra homens atirando, além de gritos e pessoas assustadas. A casa de shows tem capacidade para 6.000 pessoas. Assista acima.

O ataque começou no saguão da sala de shows. Em seguida, os homens entraram no auditório e abriram fogo contra as pessoas que aguardavam para assistir ao show.

Uma pessoa que estava no local afirmou que os homens entraram atirando e, em um momento, jogaram um coquetel molotov no local.

Quando a testemunha tentou fugir, descobriu que uma das saídas estava trancada. Ela atravessou o salão para tentar fugir de outro ponto de saída, mas também não conseguiu. Então, se refugiou no subsolo da casa de shows até que agentes dos serviços de emergência chegaram.

Foram ouvidas duas explosões no local, que pegou fogo. Os bombeiros conseguiram controlar as chamas, mas, segundo a agência de notícias Tass, o teto do Crocus City Hall pode cair a qualquer momento.

O governo da Rússia disse o presidente Vladimir Putin foi informado do ataque logo nos primeiros minutos e que tem sido constantemente atualizado dos factos.

“O presidente recebe constantemente informações sobre o que está acontecendo e sobre as medidas sendo tomadas por todos os serviços relevantes. O chefe de Estado deu todas as instruções necessárias”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

Um aliado do presidente, Dmitry Medvedev, disse que tanto os atiradores como as pessoas por trás do atentado serão perseguidos e mortos.

“Todos eles devem ser encontrados e destruídos sem pena, como terroristas. Morte por morte”, afirmou em seu canal no Telegram.

A Rússia intensificou a segurança em aeroportos e estações em toda a capital, uma vasta região urbana que abriga 21 milhões de pessoas. Todos os eventos públicos de larga escala foram cancelados no país. (G1/IMN)

Exit mobile version