Número de pessoas deslocadas dispara em Cabo Delgado enquanto terroristas contra-atacam

Depois de alguns meses de relativa calma, uma onda de novos ataques do grupo terrorista Estado Islâmico (Moçambique) [ISM] está a forçar hordas de pessoas a fugirem das suas casas na província de Cabo Delgado.

Amade (name changed), a 60-year-old farmer, was forced to flee his village in Pangane, in February 2024. He is currently staying in a displacement camp in Macomia village, some 45 kms away from his hometown. While visiting MSF’s clinic in Nanga he shared “When we heard shots being fired, we started running. This was the fourth time I fled attacks in my village since 2020. We don’t have any food and we are relying on the generosity of others to eat. I have lost so much weight that I do not even recognize my body – my pants are falling off as they don’t fit any longer. At night I can’t sleep between being hungry and haunted by the memories of the attacks.”.

A instituição de caridade Save the Children disse em 5 de Março que mais de 99 mil pessoas, incluindo 61.492 crianças, fugiram das suas casas em Cabo Delgado em 2024. Das 70 mil pessoas que se refugiaram no distrito sul de Nampula, 85% são mulheres, segundo a Unicef.

A instituição de caridade disse que “houve vários relatos de decapitações e sequestros, com muitas vítimas entre crianças”, lembrando que mais de 100 escolas na província fecharam as portas.

No início de Março, as autoridades locais relataram que mais de 70 crianças tinham sido separadas das suas famílias e desaparecidas na sequência de ataques recentes que forçaram milhares de pessoas a fugir. Há receios de que alguns possam ter-se afogado num rio ou sido raptados pelo ISIS, com o provável objectivo de os empregar como crianças-soldados, escravos ou trabalhadores.

Após vários meses de sucesso nas operações de contraterrorismo, o número do Daesh em Moçambique diminuiu para atingir “160 a 200 combatentes experientes”, de acordo com um relatório da ONU publicado em 29 de Janeiro.

O major-general Tiago Nampele, chefe do exército de Moçambique, disse em Dezembro que Cabo Delgado estava “90 a 95 por cento seguro”. Mas, no dia 2 de Março, foi noticiado que 300 combatentes do Daesh tomaram e ocuparam a cidade costeira de Quissanga, a capital do distrito que o exército moçambicano tinha deixado desprotegida. Os insurgentes decapitaram três membros das forças de segurança na ilha vizinha de Quirimba no dia seguinte.

Estes novos ataques atingiram áreas que tinham permanecido relativamente intocadas desde o início da insurreição, incluindo um ataque contínuo no distrito de Chiúre, perto da fronteira sul da província.

“As ações [do Daesh] em fevereiro são notáveis ​​pela sua intensidade relativa e pela ausência de uma resposta eficaz das forças do Estado”, segundo um relatório de situação do Cabo Ligado, um site que monitoriza a insurreição, publicado a 7 de março.

A insurgência, nascida de queixas locais transformadas em conflitos violentos em 2017, forçou mais de 1,3 milhões de pessoas a abandonarem as suas casas nos últimos seis anos e meio. A maioria das pessoas deslocadas foi submetida ou testemunhou violência extrema: massacres, raptos, extorsão, violência sexual e incêndios de aldeias. Muitos viram familiares ou vizinhos serem decapitados ou mortos a tiros. Alguns perderam toda a família.

Esperança Chinhanja, psicóloga que trabalha para Médicos Sem Fronteiras (MSF) em Macomia, um dos distritos mais afectados de Cabo Delgado, viu famílias deslocadas necessitadas de comida, abrigo e apoio emocional.

“As pessoas deslocadas muitas vezes ficam traumatizadas pela violência”, diz ela no site de MSF. Alguns são propensos a ansiedade, ataques de pânico, insônia e isolamento. Alguns dizem que não têm mais sentido na vida e pensam em suicídio. »

Atija, mãe de dois filhos, contou sua história a MSF na clínica de Nanga.

“Eu estava grávida quando a nossa aldeia no distrito de Meluco foi atacada em 2022. Vi a minha casa queimada, perdemos tudo naquele dia. Minha família e eu fugimos para o mato e caminhamos por dois dias. Desde então não sou mais o mesmo e ainda luto contra ataques de pânico e insônia; Quero ficar sozinho a maior parte do tempo. Encontro forças para continuar vivendo para meus filhos e tentar encontrar comida para nós. »

Filippo Grandi, Alto Comissário da ONU para os Refugiados, visitou Cabo Delgado em Março e observou que 600 mil pessoas conseguiram regressar a casa; No entanto, o recente aumento dos ataques de insurgentes fez com que mais de 700 mil moçambicanos fossem deslocados pela violência.

Este aumento realça a fragilidade da segurança em Cabo Delgado, segundo Piers Pigou.

Este investigador do Instituto de Estudos de Segurança disse à Associated Press: “O governo reconhece que apenas um punhado de insurgentes pode causar insegurança generalizada. Isto não mudará se as comunidades continuarem a não ter confiança de que as forças de segurança são capazes de proporcionar a estabilidade necessária. » (ADF)

Exit mobile version