Médicos moçambicanos anunciam regresso à greve a partir de segunda-feira

A Associação Médica de Moçambique (AMM) anunciou [ontem] uma nova greve nacional da classe, com duração de 21 dias, a partir de segunda-feira (10.07), contestando cortes salariais com a aplicação da nova tabela na função pública e falta de pagamentos de horas extras.

“Trata-se, novamente, de uma greve nacional, onde serão prestados apenas os serviços mínimos e que vai começar às 07:00 de segunda-feira”, explicou à Lusa o presidente da AMM, Milton Tatia.
A associação justifica a decisão do regresso à greve, após a suspensão de uma outra convocada em dezembro, com a ausência de resultados nos entendimentos alcançados com o Governo nas negociações realizadas no final do ano passado.
“O Governo prometeu resolver a questão de cortes salariais e a falta de pagamentos de horas extras a partir de fevereiro, mas até agora não houve resultados. No sábado, tivemos um encontro com uma nova equipa do Governo, deferente da equipa que estava a negociar com os médicos em dezembro, e que agora nos informou que não vai implementar o que acordámos anteriormente”, explicou Milton Tatia.
A Lusa contactou o Ministério da Saúde de Moçambique, que prometeu declarações sobre o assunto para breve.
A classe médica moçambicana tinha já anunciado o seu descontentamento em novembro do ano passado, quando adiaram uma primeira greve, após encontros com os ministros da Economia e da Saúde, para “dar tempo ao Governo” de “implementar os princípios acordados”.
A AMM aponta a “mudança constante de interlocutores por parte do Governo” e a falta de transparência sobre a “forma como os salários dos médicos estão a ser ou não processados” como alguns dos pontos que determinaram o fracasso das negociações até esta altura.
A implementação da nova tabela salarial na função pública está a ser alvo de forte contestação por parte de várias classes profissionais, com destaque para os médicos, juízes e professores.
Leia mais sobre o tema: http://dw.com/p/4LNNX
Exit mobile version